Pesquisar este blog

Ano novo, vida nova, blog novo



Acalmem-se queridos, eu não passei a acreditar no conto da carochinha de que apenas o virar do ano é capaz de dar descarga na merda de vida que levamos às vezes.

Decidi migrar o nosso blog para outro provedor do serviço porque ultimamente o blogspot tem ficado muito fora do ar e isso tem me atrapalha a escrever a vocês a ler, portanto, o novo endereço do blog será : http://italochesley.wordpress.com/

Aos amigos que recebem as postagens por e-mail, peço, por favor, que se cadastrem lá no WordPress, onde eu já inseri este recurso.

Todas as postagens, marcadores e comentários que temos aqui, foram igualmente migrados para o novo blog, portanto, não teremos problemas de perda de conteúdo ou de comentários, não se preocupem com isso, a tecnologia já nos deu a solução, por isso a amo!
Os demais recursos, com o tempo, eu pretendo inserir, pois ainda estou me familiarizando com o novo provedor do serviço.

Esse blog continuará aqui, no ar, enquanto o blogspot não entrar em colapso!

Agradeço de coração a todos que acompanham de perto as mudanças, o amadurecimento, enfim, a ascenção deste trabalho que faço com tanto prazer, que é o blog.

Um forte abraço a todos e um Feliz Ano novo, que em 2010, você alcance todos os seus objetivos e que seus projetos sejam válidos.

Atenciosamente,

Ítalo Chesley

Feliz Natal, dois tapinhas nas costas e Tchau!

Boa noite senhoras e senhores, como estão?

É incrível o poder que a humanidade tem para fingir que as coisas estão bem e que estamos todos felizes, só pelo fato de estarmos em pleno natal. Ontem, liguei a televisão de manhã e vi uma maravilha: alguns artistas revelando amigo oculto. Gastaram mais ou menos, umas duas horas na televisão fazendo uma merda daquela, já pensou em quanto isso custa? E o melhor: achando que alguém se interessa em ver aquela merda e o pior: tem gente que se interessa!

Tudo bem, o natal é um ótimo momento para estarmos juntos com nossos familiares, comemorando mais um ano vencido e abrindo mão de alguma aresta que tenha ficado para trás, no decorrer do ano.

Mas, por favor, querido leitor, não acredite nesse papinho furado de que, no fim do ano, nós temos que ter um pouquinho de paz, amar o nosso irmão, festejar e blá blá blá. Neste fim de ano, você tem que ser o que deveria ter sido o ano todo: Uma pessoa sincera, autêntica, honesta e deixar falsidade e hipocrisia para lá. Se você não gosta de alguém, não dê aqueles tapinhas ordinários nas costas, porque é ainda pior do que se você tivesse ficado quieto no seu canto, num silêncio sincero.

Não faça doações inúteis para entidades carentes, que doam ilusões, simplesmente enchendo crianças de brinquedos idiotas no fim do ano para dar um pouquinho de felicidade para aquelas crianças. E no resto do ano, o que será delas?

Por favor, não acredite no : "Hoje a festa é sua, hoje a festa é nossa, é de quem quiser, quem vier", porque, se depender da maior emissora de TV deste país, quando chegar o fim do ano que vem, você vai estar um pouquinho menos inteligente e pensará, quando tocarem essa música: "que música bonitinha".

E no outro ano vai ser pior, e no outro pior ainda e onde isso vai parar?

Desejo, com um coração sincero, um Feliz Natal e um próspero ano novo aos meus nobres leitores, que estiveram aqui comigo neste segundo ano de Blog.

Obrigado por lerem minhas maluquisses diárias e acompanharem meus altos e baixos literários. Saibam, que por mais anônimos que sejam, tudo o que é postado aqui, é feito para vocês, para que tenham uma leitura de qualidade.

Obrigado por ler esta postagem

Atenciosamente,

Ítalo Chesley

Conselhos a venda para 2010

Notificação: Nossa loja de conselhos conta com outras opções, essas são apenas as principais. Aproveite nossas ofertas!

1. Não torne seus fracassos em vitórias só porque a moléstia de alguém foi maior que a sua;
2. Não queira aprender apenas o que seu professor tem pra ensinar;
3. Leia quantos livros puder;
4. Se ama alguém, faça com que ele(a) saiba;
5. Não vá a micaretas;
6. Não assista novelas;
7. Coma verduras, legumes e bastante picanha;
8. Ouça mais, fale menos;
9. Faça mais, fale menos;
10.Fale menos;

Atenciosamente,

Ítalo Chesley Gomes da Silva

Estória

    Meu professor de redação no terceiro ano – o único bom que tive até agora, sem puxação de saco – disse que fazer perguntas retóricas, é considerado um pecado, quando estamos escrevendo uma redação. Mestre me perdoe, por favor, mas vou fazê-la: Quem é capaz de contar uma Estória? E de viver uma?
    Aqui, eu uso a palavra Estória para descrever mais do que apenas um folclore, mas sim, algo que você sonha e, apesar de ser tão alto, é alcançável. Quem é capaz de correr atrás daquilo que quer e dia-a-dia reafirmar pra você mesmo o quanto o espera?
    Quem é capaz de dar asas a imaginação, e fazer acontecer, nem que seja apenas nos planos, uma movimentação que é capaz de fazê-lo transpor as tristezas do dia-a-dia e viver algo melhor que talvez não exista, mas, pra você existe. Só mais uma pergunta retórica: Quantos mundos têm no mundo? Essa é uma indagação que carrego em meu peito há muito tempo e aqui se improvisa e incompleta para que o nobre leitor possa interrogar-se a respeito dessa verdade, ou mentira que seja. A palavra não importa e sim o sentido que ela faz.A Estória é capaz de mudar sua História? Se sim, então comece a escrevê-la logo!



Atenciosamente,


Ítalo Chesley

Puseirinhas sexuais

Olá senhoras e senhores, como estão as coisas?

Já ficaram sabendo da bela novidade, que veio diretamente da Europa, Inglaterra e chegou ao Brasil: as puseirinhas sexuais!
Agora, qualquer um (idiota) que quiser, pode comprá-las a um preço ínfimo, tipo 10 centavos, barato não?

Pois é, essas puseirinhas que, infelizmente, são moda entre os adolescentes, que em sua maioria, como não poderia deixar de ser, a utilizam sem ao menos saber seu significado. Mas você sabe o significado? Não?

Então, antes de soltar o verbo, os pronomes, os advérbios, os substantivos e por aí vai, vou mostrar a você, meu nobre leitor, um pouco ao que estamos dirata ou indiretamente submetidos.




Tudo bem, eu também concordo que o sexo já foi banalizado há muito tempo e que nem pedofilia, nem pornografia, nem traição, nem prostituição, gravidez precoce ou qualquer outra consequência da banalização do sexo depende desta pulserinha maldita, até porque nasceram antes dela.

Mas, até agora eu não tinha visto uma forma tão fácil e prática de expôr as pessoas, principalmente do sexo feminino, a sérios riscos oriundos de homens ou até mesmo, meninos muito mal intencionados.

Buscando sobre o assunto na internet e trocando idéia com amigos, vi que essa brincadeirinha já preocupa os pais das crianças e está sendo proibida em escolas, não era pra menos: Já aconteceram estupros e assédios sexuais em público por causa dessa bobagem.

Mas, o que tem a ver usar pulserinhas? Você deve estar se perguntando.

Não há nenhum problema, eu concordo e reafirmo: O problema está na perversão humana. Se não fosse ela, o nosso país seria mais justo, não haveria muito poder na mão de poucos e nenhum na mão de muitos.

Sem dúvidas, não custa colocar a cabeça pra pensar e não aderir a essa modinha, bem como combatê-la sempre que pudermos e acabar, ou pelo menos, fazer a nossa parte para acabar com essa palhaçada.

Obrigado por investir seu tempo lendo esta postagem

Atenciosamente

Ítalo Chesley

Equívoco de uma semana

Notificação!
O texto abaixo publicado foi rejeitado pelo glorioso Jornal Circulando(Jornal de Laboratório do Curso de Jornalismo da Univale), sob alegação de que houve nele falta de ética e desrespeito às bibliotecárias, se você for uma bibliotecária, por favor, não prossiga com a leitura, pois, não quero ser alvo de processos judiciais contra a vossa honra e nem tenho dinheiro para pagar advogado, se mesmo assim quiser ler, eu não me responsabiliso pelos efeitos colaterais da leitura. No entanto, se não for bibliotecária, boa leitura!

No fim de uma manhãzinha de trabalho de matar qualquer um, eu, com meus dois inseparáveis livros de Fernando Sabino, cada um de uma biblioteca, saí do meu trabalho em horário de almoço e fui até a biblioteca pública para devolver o que era de lá: com muito pesar, subi as escadas da biblioteca e deixei o outro, que era da outra biblioteca, no guarda volumes, porque dificilmente eu sairia de lá com ele nas mãos sem ser, antes, acusado de furto de livros, pelo menos ganharia um título raro, numa época em que roubam todo tipo de obra de artes, com exceção dos livros, o que evidencia a falta de cultura dos ladrões desse país.Quando entrava, olhei lentamente para a direita e vi uma senhora com uma expressão estranha que me olhou e disse prontamente: O que você deseja? Eu, naturalmente, estava devolvendo o livro na data certa, disse apenas que queria fazer a devolução. Ela, cheia de razão,olhou para a data que eu deveria devolver o livro ,olhou pra mim e disse que infelizmente eu teria que pagar uma multa, porque hoje é dia vinte e sete de julho. Naquele momento eu passei por todos os manicômios mentais possíveis, mas nenhum psiquiatra, provavelmente mais loucos do que eu, conseguiu constatar a minha loucura, e eu, provavelmente mais louco que a bibliotecária, convencido de minha razão e da sua loucura disse a ela, vitorioso, apontando para um calendário de propaganda que estava em sua mesa: Em que mundo você está minha senhora? Hoje é dia vinte de julho, olha aqui ó! Ela, meio envergonhada, custando admitir o equívoco, chamou outra mais distraída que ela, que passava despercebida por ali e indagou, provando mais uma vez que não acreditava em mim: “Que dia do mês é hoje?” A outra, com cara de que estava mais voada ainda, o que me fez não acreditar muito nela, me surpreendeu e disse: Hoje é vinte de julho, por quê? A bibliotecária, sem querer admitir a burrice cometida respondeu: Não, não era nada.Obrigada. Eu saí até pisando alto, e subi correndo até o segundo andar da biblioteca em busca de outro livro pra ler, não posso ficar sem um livro na minha cabeceira, e até ouso admitir o pecado de que, ás vezes, eles me servem de sonífero à noite.
Cheguei lá em cima, pensei estar dando de cara com um fantasma, naquele lugar aparentemente obscuro e cheio de livros empoeirados, mas não, era uma das bibliotecárias, que, em nossa geração, inutilmente conhece cada estante daquela biblioteca. Geralmente, eu chego lá e vou direto na prateleira onde ficam os livros do meu autor preferido, mas, hoje, eu me perdi entre os livros de teatro e poesia, e por fim peguei um de Vinícius de Moraes, de muito bom gosto, ao menos pelo que folheei dele lá na hora. Desci as escadas euforicamente: já tinha gastado meia hora do meu horário de almoço que é curtíssimo.
Quando cheguei no balcão para passar o livro que pegaria emprestado, a bibliotecária, ainda perplexa pelo equívoco dos sete dias olhou para mim e perguntou : Será que eu estou caducando?
Eu disse, provavelmente está. Ela fez uma cara de descontentamento, como se não tivesse me perguntado nada, pegou o livro e foi preenchendo uma fichinha de controle. Ao terminar de preencher a fichinha ela me perguntou se eu ia levar só um, em plenas férias. Eu disse a ela que trabalhava o dia todo, portanto, só lia a noite e ela, cheia de compaixão porque provavelmente esqueceu que eu a chamei de caduca me deu dez dias a mais no empréstimo e ainda me desejou boa tarde. Eis aí a vantagem da sinceridade. Eu desejei a ela uma boa tarde de trabalho, e segui para casa com meus dois inseparáveis livros, o outro de Fernando Sabino, outro de Vinícius de Morais.

Obrigado pela leitura da postagem
Atenciosamente
Ítalo Chesley

Seu desafio

Cante quando a canção te fugir dos lábios. Se arrisque a dizer, junto com a melodia, alguma besteira, algo sem nexo.

Quando disseram que a Terra era redonda, isso também não tinha nexo, mas, eu não sei se você notou, mas hoje ela é representada por um globo.

Não se preocupe em parecer louco, triste e solitário. Preocupe-se em ser um inútil, falso e irrelevante. Todos vão te esquecer se não te criticarem.Mesmo errando, acredite: você não poderia passar correndo pela vida sem deixar ao menos um rastro, uma marca.

Você não tem que ser felizinho nem social. Não precisa se tornar um cachorrinho só para ganhar dinheiro e status. Se você é um cachorrinho e se acha o máximo, pare sua leitura por aqui, porque não merece ler um texto com tais abordagens. Primeiro porque eu não vou mudar nem um pouquinho seu pensamento, depois, porque por sua culpa leitores dignos estão perdendo tempo de leitura.

Tempo! Essa é a palavra certa: Tempo! Viva cada dia como se fosse o último...blá blá blá...Esqueça tudo isso, você não precisa de receitas midiáticas de bolo para chegar onde você quer, não mesmo!

A sua mente é uma fábrica inesgotável de idéias, um baú mágico de evolução!